Se você não conseguir editar a wiki após o login, você precisará solicitar direitos de edição usando este formulário. Você será notificado assim que tais direitos de edição lhe forem concedidos.

Roraima, Brasil - Genealogia

Da wiki FamilySearch Wiki
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Brasil Gotoarrow.png Roraima

Tópicos de Pesquisa do Brasil
Bandeira do Brasil
Iniciando Pesquisa
Tipos de Registros
Brasil Panorâmica
Etnia
Recursos de Pesquisa Local
Moderador
O moderator da Wiki do FamilySearch para o Brasil é Adriano Almeida



Mapa localizacao Roraima no Brasil

O estado de Roraima é uma das 27 unidades federativas do Brasil, situando-se na região Norte e fazendo fronteira com os estados do Pará e do Amazonas, além da Venezuela e Guiana. Possui área de 224.298,980 mil km², sendo o 14º estado em extensão territorial, englobando 15 municípios. A capital do estado é a cidade de Boa Vista.

História[editar | editar código-fonte]

A história da descoberta, ocupação e colonização da região que hoje forma o estado de Roraima está diretamente ligada a estratégia e interesse da coroa portuguesa em expandir seu território na América, motivado pela descoberta de ouro, como também, pela necessidade de garantir sua supremacia territorial, que ficava ameaçada pela invasão de espanhóis, ingleses, holandeses e franceses.

A história de Roraima é muito recente, porque apesar de o Rio Branco ter sido conhecido e batizado em 1639 por Pedro Teixeira, foi somente em 1775, quase três séculos após a descoberta do Brasil, é que foi construído o FORTE SÃO JOAQUIM, marco consolidador da presença portuguesa na região.

A ocupação deste território deu-se a partir de aldeamentos indígenas entre 1775 e 1777, neste período foram estabelecidas cinco comunidades nos Rios Uraricoera, Branco e Tacutu, entretanto, nos anos de 1780 e 1781 os mesmos foram abandonados pelos índios, que não aceitavam as condições impostas pelos portugueses. Em 1784, houve nova tentativa de colonização por meio de aldeamento, quando os portugueses fundaram quatro novas aldeias, todavia esta tentativa fracassou em 1790, marcada com a grande revolta dos indígenas, conhecida como “Revolta da Praia de Sangue”.

Com isso, a coroa portuguesa muda de estratégia e, decide efetivar a colonização do Rio Branco, com a introdução do gado nas margens do Rio Uraricoera e Rio Branco em franco processo de expansão e colonização. A primeira fazenda foi montada no Rio Uraricoera e tinha o nome de Fazenda São Bento, posteriormente foi fundada a Fazenda São Marcos no Rio Tacutu. Este movimento criou condições que viabilizaram a fixação dos brasileiros na região e, a fundação do município de Boa Vista do Rio Branco, em 1890, pertencente à província de São José do Rio Negro, hoje o Amazonas, no governo de Augusto Ximeno Ville Roy.

Após a fundação do município de Boa Vista, o governo central da província não conseguiu recursos para investir no desenvolvimento da região, este fato culminou com a decadência do Forte de São Joaquim e de outras vilas que dependiam de sua administração, o último comandante do forte foi um cabo e, não um capitão ou major como era costume.

Nesse período a região do Rio Branco recebeu a primeira leva de migrantes nordestinos que vinham foragidos da seca, ou faziam parte do exército da borracha, após um longo período de abandono a região desperta novamente o interesse do governo da província sob o comando de Eduardo Ribeiro, que contratou o senhor Sebastião Diniz para abrir uma picada na selva no percurso entre Manaus e Boa Vista, que hoje representa a rodovia BR-174, este fato criou o fluxo migratório e a região passa a ser ocupada por migrantes nordestinos, é o mesmo tempo em que se instalam por aqui os monges beneditinos, que depois seriam substituídos pelos padres da Consolata, as missões religiosas deram grande contribuição para a formação e desenvolvimento do município como por exemplo: os colégios São José e Euclides da Cunha, a igreja Matriz, a Prelazia e o hospital Nossa Senhora de Fátima que por muitos anos atendeu brancos, negros e índios ¬sem nenhuma distinção.

Em 1943, em plena segunda guerra mundial, o município do Rio Branco é emancipado para a categoria de Território Federal do Rio Branco, seu primeiro governador foi o Capitão Ene Garcez dos Reis, no governo do presidente Getúlio Vargas, com o objetivo de ocupar os espaços da amazônia, principalmente nas regiões de fronteira onde no passado haviam ocorridos vários incidentes com outros países. Em 1945, Getúlio Vargas foi deposto e, em seu lugar assumiu a presidência da república o general Eurico Gaspar Dutra que jamais demonstrou entusiasmo com os territórios federais, assim como os demais que o sucederam. De 1943 a 1964, o território federal de Rio Branco, depois território federal de Roraima não alcançou o desenvolvimento esperado. Foi neste período (1962) que houve a transformação de nome para Território Federal de Roraima, devido a confusões de destino de correspondência e até mesmo de pessoas que vinham para Roraima e acabava indo parar no Rio Branco a capital do então Território Federal do Acre.

O grande impulso de desenvolvimento do território aconteceu no período de 1964 a 1985, neste período os governadores continuavam a ser indicados pelo Presidente da República, quando o país estava sob o governo revolucionário militar, que tinha como estratégia de desenvolvimento a ocupação da amazônia, principalmente o fortalecimento das regiões de fronteiras, com a finalidade de proporcionar a integração nacional. Neste período deu-se a abertura e conclusão de várias rodovias federais na amazônia com o propósito de colonização da região, entre estas estavam a BR-174 (Boa Vista – Manaus), BR-210 (Perimetral Norte), BR-401 (Boa Vista / Bonfim – Bonfim / Normandia) estas rodovias estimularam o surgimento de novos municípios e fomentaram o processo de migração para Roraima, capitaneado pelos nordestinos. Esta foi uma época de grandes obras de infra-estrutura no território.

De 1985 a 1990, o território federal de Roraima continuou a ser governado por pessoas indicadas pelo Presidente da República, mesmo com o processo de redemocratização do país. Este foi o período de grande explosão populacional e de grande desenvolvimento empresarial no território devido à abertura do garimpo de ouro e outros minerais, o aeroporto internacional de Boa Vista, chegou a ser por vários meses o aeroporto brasileiro com maior número de pousos e decolagens.

Em 1988, com a promulgação da constituição, o território federal de Roraima foi elevado a categoria de estado membro da federação, sua implantação ocorre em 01 de janeiro de 1991, quando o primeiro governador eleito tomou posse, de 1991 a 1994, o estado de Roraima viveu um momento de grandes obras de infra-estrutura para implantação da estrutura de governo, com isso aconteceu um novo processo de migração, e iniciou a criar bases para o desenvolvimento local.

Municípios[editar | editar código-fonte]

Os 15 municípios que compõem o estado de Roraima são:

Alto Alegre
Cantá
Mucajaí
São João da Baliza
Amajari
Caracaraí
Normandia
São Luís
Boa Vista
Caroebe
Pacaraima
Uiramutã
Bonfim
Iracema
Rorainópolis

Recursos de Pesquisa[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Vieira, Guilherme Jaci - O Rio Branco se Enche de História, 2008 - Editora da UFRR

Cemitérios[editar | editar código-fonte]

Para informações sobre cemitérios, busque a página da cidade de seu interesse.

Centros de História da Família (CHF)[editar | editar código-fonte]

Instituições[editar | editar código-fonte]

Governo de Roraima

  • Arquivo Público de Roraima

Rua Miguel Lupe Martins, s/nº - São Pedro - Boa Vista - RR - CEP. 69306-490

Páginas Diversas[editar | editar código-fonte]

Páginas Pessoais[editar | editar código-fonte]

Registros no FamilySearch[editar | editar código-fonte]

Registros Civis [1]

Referências desta página[editar | editar código-fonte]

  1. http://cod.ibge.gov.br/2325F
  2. https://pt.wikipedia.org/wiki/Roraima
  3. https://pt.wikipedia.org/wiki/História_de_Roraima
  4. http://mapasblog.blogspot.com.br
  5. http://www.conarq.gov.br/links/386-arquivos-p%C3%BAblicos-estaduais-e-do-distrito-federal.html