Se você não conseguir editar a wiki após o login, você precisará solicitar direitos de edição usando este formulário. Você será notificado assim que tais direitos de edição lhe forem concedidos.

Rondônia, Brasil - Genealogia

Da wiki FamilySearch Wiki
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Brasil Gotoarrow.png Rondônia

Tópicos de Pesquisa do Brasil
Bandeira do Brasil
Iniciando Pesquisa
Tipos de Registros
Brasil Panorâmica
Etnia
Recursos de Pesquisa Local
Moderador
O moderator da Wiki do FamilySearch para o Brasil é Adriano Almeida


Mapa localizacao Rondonia no Brasil

O estado de Rondônia é uma das 27 unidades federativas do Brasil, situando-se na região Norte e fazendo fronteira com os estados do Amazonas, Acre, Mato Grosso e com a Bolívia. Possui área de 237.576,167 km², sendo o 13º estado em extensão territorial, e englobando 52 municípios. A capital do estado é a cidade de Porto Velho.

História
[editar | editar código-fonte]

Nativos americanos habitavam o atual território de Rondônia há milhares de anos, como indicam estudos arqueológicos. Segundo o Tratado de Tordesilhas, esse território pertenceria à Espanha, mas sua exploração só começou no século 18.

Em 1621, durante a União Ibérica, esse território passou a ser administrado pelos portugueses, como parte do Estado do Maranhão e Grão-Pará, separado do Estado do Brasil.

Em 1637, o capitão-mor Pedro Teixeira comandou a primeira expedição portuguesa que percorreu o Vale do Alto Madeira. Em 1647, outra expedição, comandada por Raposo Tavares, explorou os vales dos rios Guaporé, Mamoré e Madeira. Constatou-se que as várias cachoeiras e corredeiras nesses rios tornavam a navegação muito difícil.

Na segunda metade do século 17, começaram a ser instaladas missões dos jesuítas espanhóis no vale do Rio Mamoré, na atual Bolívia.

A descoberta de jazidas de ouro, em 1719, no atual município de Cuiabá, no Mato Grosso, atraiu exploradores à região. Em 1723, Francisco de Mello Palheta, Sargento-Mor do Grão-Pará, explorou o Rio Madeira, indo além da foz do Mamoré. Essa foi uma missão que buscava bases para reivindicar a região para Portugal.

Em 1728, os jesuítas João Sampaio e Manoel Fernandes fundaram a primeira missão religiosa para catequese dos índios, no atual território de Rondônia, na margem direita do Rio Madeira. Chamava-se Santo Antônio das Cachoeiras, atualmente, um subúrbio de Porto Velho. Data dessa época, a fundação da primitiva Capela de Santo Antônio. Essa aldeia tornou-se também conhecida como Santo Antônio do Madeira.

Em 1734, achou-se ouro no Vale do Alto Guaporé. Outras jazidas foram descobertas, nos anos seguintes, e novos povoados começaram a se formar na região.

Nos anos 1740, os índios muras, sentindo-se enganados por um explorador português, atacaram e incendiaram a Aldeia de Santo Antônio.

Em 1742, o Manuel Félix de Lima e outros mineradores, desobedecendo ordens régias para evitar o comércio clandestino de ouro, desceram os rios Guaporé, Madeira e Amazonas e chegaram em Belém, inaugurando uma rota que se tornaria estratégica para o oeste de Mato Grosso (atual Rondônia). Félix de Lima foi preso e enviado para Portugal.

A Capitania de Mato Grossoe Cuiabá foi criada em 1748, mas instalada em 1751. Com o Tratado de Madrid, de 1750, a Espanha reconheceu o Mato Grosso como sendo português, mas as disputas territoriais na região continuaram pela segunda metade do século 18. O Mapa das Cortes, de 1749, indica que existiam missões dos jesuítas portugueses na margem direita do Rio Madeira e várias missões espanholas no lado esquerdo do Rio Guaporé.

Em 1748, o Governador do Estado do Maranhão e Grão-Pará enviou uma expedição, com José Gonçalves da Fonseca, para explorar e mapear a navegação fluvial, entre o Grão-Pará e o Mato Grosso, formada pelos rios Madeira, Mamoré e Guaporé. A expedição saiu de Belém, em julho de 1749, e retornou no final de 1750, com dados preciosos sobre a região.

A partir de 1752, como uma política de povoação e proteção das fronteiras, o Governador de Mato Grosso atraiu índios das missões espanholas para missões portuguesas, no lado brasileiro.

A segunda metade do século 18 começou com grandes mudanças no Brasil, devido à administração do Marquês de Pombal (1750-1777). Os jesuítas foram expulsos, em 1759, mas, no Mato Grosso, ficaram por mais alguns anos. Em 1755, Pombal criou Companhia Geral do Comércio do Grão-Pará e Maranhão, cujos interesses tinham relação com a navegação nos rios Madeira e Guaporé. A Aldeia de Santo Antônio foi reconstruída como um entreposto comercial no alto do Rio Madeira e servia de abastecimento para as minas do Vale do Guaporé.

Em 1753, buscando a proteção da fronteira e da navegação no Rio Guaporé, o Governador de Mato Grosso instalou um posto fortificado em Santa Rosa, no local de uma antiga missão dos jesuítas espanhóis, na margem direita do Rio Guaporé (cerca de 4 km abaixo da atual Cidade de Costa Marques). A partir do ano seguinte, Santa Rosa foi atacada pelos espanhóis. Por volta de 1759, foi construído o Forte de Nossa Senhora da Conceição, naquela área, mas destruído por incursões espanholas. Por volta de 1768, o Forte foi reconstruído e recebeu o nome de Bragança, mas uma grande enchente no Rio Guaporé, em 1771, danificou suas estruturas e foi abandonado posteriormente.

Em 1773, o Governador de Mato Grosso buscou um local para a construção de um novo forte na margem direita do Rio Guaporé. Em 1776, começou a ser construído o Forte Príncipe da Beira, a cerca de dois quilômetros de Santa Rosa, abaixo do Rio. O Forte foi concluído em 1783. Nessa época, já vigorava o Tratado de Santo Ildefonso, de 1777. Por estar em plena floresta amazônica, seus custos foram imensos, principalmente pela dificuldade de transporte de materiais, mas também pela dimensão da obra. Foi abandonado no final do século 19 e está atualmente em ruínas.

Em 1821, o atual território de Rondônia estava dividido entre as províncias do Rio Negro (Amazonas) e Mato Grosso.

Municípios
[editar | editar código-fonte]

Os 52 municípios que formam o estado de Rondônia são:

Alta Floresta d'Oeste
Chupinguaia
Mirante da Serra
Rio Crespo
Alto Alegre dos Parecis
Colorado do Oeste
Monte Negro
Rolim de Moura
Alto Paraíso
Corumbiara
Nova Brasilândia d'Oeste
Santa Luzia d'Oeste
Alvorada d'Oeste
Costa Marques
Nova Mamoré
São Felipe d'Oeste
Ariquemes
Cujubim
Nova União
São Francisco do Guaporé
Buritis
Espigão d'Oeste
Novo Horizonte do Oeste
São Miguel do Guaporé
Cabixi
Governador Jorge Teixeira
Ouro Preto do Oeste
Seringueiras
Cacaulândia
Guajará-Mirim
Parecis
Teixeirópolis
Cacoal
Itapuã do Oeste
Pimenta Bueno
Theobroma
Campo Novo de Rondônia
Jaru
Pimenteiras do Oeste
Urupá
Candeias do Jamari
Ji-Paraná
Porto Velho
Vale do Anari
Castanheiras
Machadinho d'Oeste
Presidente Médici
Vale do Paraíso
Cerejeiras
Ministro Andreazza
Primavera de Rondônia
Vilhena

Recursos de Pesquisa
[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Palitot, Aleksander Allen Nina - Rondônia - Uma história, 2016

Cemitérios[editar | editar código-fonte]

Para informações sobre cemitérios, busque a página da cidade de seu interesse.

Centros de História da Família (CHF)[editar | editar código-fonte]

Instituições[editar | editar código-fonte]

Governo de Rondônia

Páginas Diversas[editar | editar código-fonte]

Páginas Pessoais[editar | editar código-fonte]

Registros no FamilySearch[editar | editar código-fonte]

Referências desta página[editar | editar código-fonte]

  1. http://cod.ibge.gov.br/232TR
  2. https://pt.wikipedia.org/wiki/Rondônia
  3. https://pt.wikipedia.org/wiki/História_de_Rondônia
  4. http://mapasblog.blogspot.com.br