Maranhão, Brasil - Genealogia

De FamilySearch Wiki
Ir para: navegação, pesquisa

Brasil Gotoarrow.png Maranhão

Tópicos de Pesquisa do Brasil
Bandeira do Brasil
Iniciando Pesquisa
Tipos de Registros
Brasil Panorâmica
Etnia
Recursos de Pesquisa Local
Moderador
O moderator da Wiki do FamilySearch para o Brasil é Adriano Almeida


Mapa localizacao maranhao no Brasil






O Maranhão é uma das 27 unidades federativas do Brasil. Situa-se na região Nordeste, e faz fronteira com os estados do Piauí, Tocantins e Pará, além do Oceano Atlântico. Sua área é de 331.935,507 km², sendo o oitavo estado em extensão territorial. É formado por 217 municípios, dos quais São Luís é a capital.

História

O território do atual estado do Maranhão era habitado por indígenas dos grupos Tupi (Guajajaras e Urubus) e Jê (Timbiras e Sacramecras), no litoral e interior respectivamente, à época do descobrimento. Embora tenha ficado na parte que cabia a Portugal no Tratado de Tordesilhas, foram os espanhóis os primeiros a explorar a costa maranhense e, posteriormente, os franceses. Só a partir de 1531, com a chegada do português Martim Afonso de Souza, foi designado ao também português Diogo Leite a exploração da costa norte do Brasil, chegando este até a foz do rio Gurupi, que atualmente divide os estados do Maranhão e do Pará - muito embora um mapa português datado de 1519 já traga alguns nomes de acidentes geográficos da costa maranhense.

Em 1535 D. João III concedeu a três fidalgos portugueses a capitania do Maranhão. O primeiro a vir foi Aires da Cunha, cuja embarcação sucumbiu a uma violenta tempestade no litoral maranhense junto a grande parte dos integrantes da expedição de posse - as dificuldades de navegação na costa norte brasileira já eram conhecidas e descritas nos documentos da época. Os sobreviventes fundaram uma povoação chamada de Nazaré, que se desfez diante dos ataques dos índios. Em 1539 outro português, Luís de Melo da Silva, também naufraga tentando chegar à costa, porém sobrevive e permanece no Maranhão até 1554, quando retorna para Portugal. Em 1555 os irmãos João de Barros e Jerônimo de Barros chegariam à capitania enviados pelo pai, João de Barros. À época, os franceses permaneciam frequentando a região, construindo edificações e fazendo transações comerciais com os índios.

Em 1612, cerca de 500 franceses chegaram em três embarcações e fundaram a então denominada França Equinocial. Denominaram Ilha de Sant'Ana e, posteriormente, Ilha do Maranhão à hoje cidade de São Luís. Dois padres Capuchinhos foram responsáveis pela catequização e pelos primeiros registros da terra e dos costumes e leis locais. No entanto, armadas portuguesas e espanholas empreenderiam diversas tentativas de conquista do território, culminando na Batalha de Guaxenduba, vencida pelos lusitanos. Em julho de 1615, Portugal exigiu à França a devolução da ilha; Jerônimo de Albuquerque construiu o Forte de São José de Itapari e, em novembro do mesmo ano, o francês La Ravardière capitulou ante o ataque via terra e mar e entregou a colônia, o forte de São Luis, os navios e as armas para os portugueses.

Em 1641 seria a vez da invasão holandesa. Então estabelecidos na capitania de Pernambuco, uma frota invadiu o território do Desterro e destruiu a povoação ora existente, assumindo o comando da região. Dez meses depois lavradores portugueses se rebelaram contra o domínio holandês, dando início a conflitos cada vez mais dramáticos e sangrentos. Em fevereiro de 1644, após uma tentativa frustrada de negociação entre o príncipe holandês Maurício de Nassau e o líder dos portugueses, Antonio Teixeira Melo, os holandeses se retiraram do território.

Em 1682 foi criada a Companhia de Comércio do Maranhão, visando especialmente o impedimento da escravização e emprego da mão-de-obra indígena e a restrição do comércio. A ação da Companhia agravou a crise econômica pela qual passava a região e a insatisfação popular culminou na denominada Revolta de Beckman, em 24 de fevereiro de 1684, assim denominada pela liderança dos irmãos Manuel e Tomás Beckman, senhores de engenho da região. No final de 1685 a revolta foi sufocada, e os líderes Manuel Beckman e Jorge Sampaio foram condenados à forca, sentença executada em novembro deste ano.

Até as primeiras décadas do séc. XVIII a situação na região era de pobreza. Na segunda metade deste século a administração do Marquês de Pombal, então Primeiro-Ministro de Portugal, foi decisiva para a retomada do crescimento da região: foi fundado o Vice-Reino do Grão-Pará e Maranhão, subdividido em quatro capitanias (Maranhão, Piauí, São José do Rio Negro e Grão-Pará), com sede em Belém; também foi criada a Companhia Geral de Comércio do Grão Pará e Maranhão, que fomentou a vinda de portugueses (em especial açorianos), o comércio e o cultivo de arroz e algodão voltado à exportação. em 1774, há a separação dos territórios do Pará e do Maranhão. Este período durou até à ascensão de D. Maria I ao trono de Portugal, em 1777. 

Em 24 de agosto de 1819 assumiria o último governador da capitania, o marechal do exército português Bernardo da Silveira Pinto da Fonseca. Este se mostrou um grande administrador: instituiu a primeira tipografia da região, que por sua vez começou a publicar o primeiro jornal maranhense, institulado "O Conciliador do Maranhão"; restaurou diversos edifícios públicos e calçou as ruas da capital. Seu governo durou até 1823.

Até 1850 houveram diversas revoltas locais, dadas as tensões existentes entre portugueses naturalizados e brasileiros natos principalmente por conta da Proclamação da Independência do Brasil em 1822. A partir da segunda metade do séc. XIX, o estado se consolida territorialmente e e torna-se política e socialmente estável. A economia se apoia no trabalho escravo, cujas comunidades viriam a se tornar vários municípios maranhenses, em especial na região norte do estado.

Municípios

Os 217 municípios que constituem o estado do Maranhão são:

Açailândia Centro Novo do Maranhão Marajá do Sena Santa Quitéria do Maranhão
Afonso Cunha Chapadinha Maranhãozinho Santa Rita
Água Doce do Maranhão Cidelândia Mata Roma Santana do Maranhão
Alcântara Codó Matinha Santo Amaro do Maranhão
Aldeias Altas Coelho Neto Matões Santo Antônio dos Lopes
Altamira do Maranhão Colinas Matões do Norte São Benedito do Rio Preto
Alto Alegre do Maranhão Conceição do Lago-Açu Milagres do Maranhão São Bento
Alto Alegre do Pindaré Coroatá Mirador São Bernardo
Alto Parnaíba Cururupu Miranda do Norte São Domingos do Azeitão
Amapá do Maranhão Davinópolis Mirinzal São Domingos do Maranhão
Amarante do Maranhão Dom Pedro Monção São Félix de Balsas
Anajatuba Duque Bacelar Montes Altos São Francisco do Brejão
Anapurus Esperantinópolis Morros São Francisco do Maranhão
Apicum-Açu Estreito Nina Rodrigues São João Batista
Araguanã Feira Nova do Maranhão Nova Colinas São João do Carú
Araioses Fernando Falcão Nova Iorque São João do Paraíso
Arame Formosa da Serra Negra Nova Olinda do Maranhão São João do Soter
Arari Fortaleza dos Nogueiras Olho d'Água das Cunhãs São João dos Patos
Axixá Fortuna Olinda Nova do Maranhão São José de Ribamar
Bacabal Godofredo Viana Paço do Lumiar São José dos Basílios
Bacabeira Gonçalves Dias Palmeirândia São Luís
Bacuri Governador Archer Paraibano São Luís Gonzaga do Maranhão
Bacurituba Governador Edison Lobão Parnarama São Mateus do Maranhão
Balsas Governador Eugênio Barros Passagem Franca São Pedro da Água Branca
Barão de Grajaú Governador Luiz Rocha Pastos Bons São Pedro dos Crentes
Barra do Corda Governador Newton Bello Paulino Neves São Raimundo das Mangabeiras
Barreirinhas Governador Nunes Freire Paulo Ramos São Raimundo do Doca Bezerra
Bela Vista do Maranhão Graça Aranha Pedreiras São Roberto
Belágua Grajaú Pedro do Rosário São Vicente Ferrer
Benedito Leite Guimarães Penalva Satubinha
Bequimão Humberto de Campos Peri Mirim Senador Alexandre Costa
Bernardo do Mearim Icatu Peritoró Senador La Rocque
Boa Vista do Gurupi Igarapé do Meio Pindaré-Mirim Serrano do Maranhão
Bom Jardim Igarapé Grande Pinheiro Sítio Novo
Bom Jesus das Selvas Imperatriz Pio XII Sucupira do Norte
Bom Lugar Itaipava do Grajaú Pirapemas Sucupira do Riachão
Brejo Itapecuru Mirim Poção de Pedras Tasso Fragoso
Brejo de Areia Itinga do Maranhão Porto Franco Timbiras
Buriti Jatobá Porto Rico do Maranhão Timon
Buriti Bravo Jenipapo dos Vieiras Presidente Dutra Trizidela do Vale
Buriticupu João Lisboa Presidente Juscelino Tufilândia
Buritirana Joselândia Presidente Médici Tuntum
Cachoeira Grande Junco do Maranhão Presidente Sarney Turiaçu
Cajapió Lago da Pedra Presidente Vargas Turilândia
Cajari Lago do Junco Primeira Cruz Tutóia
Campestre do Maranhão Lago dos Rodrigues Raposa Urbano Santos
Cândido Mendes Lago Verde Riachão Vargem Grande
Cantanhede Lagoa do Mato Ribamar Fiquene Viana
Capinzal do Norte Lagoa Grande do Maranhão Rosário Vila Nova dos Martírios
Carolina Lajeado Novo Sambaíba Vitória do Mearim
Carutapera Lima Campos Santa Filomena do Maranhão Vitorino Freire
Caxias Loreto Santa Helena Zé Doca
Cedral Luís Domingues Santa Inês
Central do Maranhão Magalhães de Almeida Santa Luzia
Centro do Guilherme Maracaçumé Santa Luzia do Paruá

Recursos de Pesquisa

Bibliografia

  • Estado do Maranhão  - Escritores: Francisco Coelho Sampaio | Maria Viana - Editora: Scipione
  • FERREIRA, Edgardo Pires - A mística do parentesco; Uma genealogia inacabada
  • Itinerário da Província do Maranhão – Autor: Antonio Bernardino Pereira do Lago – Editora Siciliano

Cemitérios

Para informações sobre cemitérios, busque a página da cidade de seu interesse.

Centros de História da Família (CHF)

Instituições

Páginas Diversas

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bernardo_da_Silveira_Pinto_da_Fonseca

revistagalileu.globo.com/Sociedade/noticia/2015/12/viaje-ao-brasil-do-passado-com-os-primeiros-documentos-de-cartorios-do-pais.html

Páginas Pessoais

Registros no FamilySearch

Referências desta página

  1. http://cod.ibge.gov.br/232EI
  2. https://pt.wikipedia.org/wiki/Maranhão
  3. https://pt.wikipedia.org/wiki/História_do_Maranhão
  4. http://www.turismo-ma.com.br/ma.php
  5. http://mapasblog.blogspot.com.br
  6. http://www.conarq.gov.br/links/386-arquivos-p%C3%BAblicos-estaduais-e-do-distrito-federal.html
  7. http://www.asbrap.org.br/publicac/Links/arquivosnacionais.htm